quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Um Gosto de Vida (As Irmãs Keyes - Livro 1) - Susan Mallery

Feliz Natal pra todo mundo! E pra combinar esta época deliciosa do ano, resenhei um livro que é também delicioso de ler, especialmente porque ele tem receitas espalhadas nele. :)

Um Gosto de Vida (As Irmãs Keyes - Livro 1) - Susan Mallery

Editora: Harlequim
Ano da Edição: 2011
Páginas: 320
Título Original: Sweet Talk

Sinopse
Existe algo mais doce do que o primeiro amor? Não pergunte para Claire Keyes. Aos 28 anos, ela é considerada um prodígio do piano. Porém, em seu currículo amoroso não há um relacionamento sério, tampouco um caso de verdade. Sua carreira de concertista deixou pouco espaço para amigos e parentes. E é por esse motivo que Claire não visita Nicole e Jesse, suas irmãs, nem a tradicional confeitaria da família há anos. Mas agora Nicole está doente e já faz tempo que Jesse desertou. Sem considerar o fato de Claire não saber botar água para fever, ela está determinada a bancar a dona de casa. Criar laços com as duas irmãs está no topo de sua lista... junto com se apaixonar ou, pelo menos, ser seduzida pela primeira vez. Apesar de ser um homem tão atraente quanto sério, pode ser que Wyatt se encaixe nos planos de Claire. Embora não pare de dizer que ambos vêm de mundos diferentes, ele fica mais aceso do que forno de padaria sempre que ela se aproxima. Se continuar assim, talvez Claire dê a ele uma chance... e deixe um gostinho de quero mais.



Resenha


Este é um livro de amor. Não só o amor entre o casal principal, mas também o amor entre irmãs, o amor entre um pai solteiro e a sua filha deficiente auditiva, o amor pela música, e pode parecer um pouco clichê, mas o amor pela vida.

A personagem Claire não é muito cativante, acho que ela é um pouco “besta” demais. Ela é mais iludida que todas as mocinhas de romances água com açúcar juntas! Ela acha que a relação com a irmã vai voltar a ser como era 20 anos atrás simplesmente do nada, ela acha que Wyatt, que diz que não quer nada sério desde o começo, vai se apaixonar loucamente por ela do nada, ela acha que as coisas são simples e o mundo é cor de rosa. Ao longo do livro ela vai aprendendo um pouco que a vida não é tão fácil como num conto de fadas, mas mesmo assim continua meio iludida e irritante.

Para mim, mais legal até do que como o romance entre Claire e Wyatt se desenvolve, é a relação que ela desenvolve com a filha dele através da música e apesar dele. Elas se dão bem desde o começo e Claire não trata a menina diferente ou é impaciente com Amy pelo fato dela ser surda. Pelo contrário, ela quer aprender a linguagem dos sinais e leva a garota às compras, etc. E a relação delas se torna mais intensa quando Claire toca o piano para Amy, que coloca as mãos no piano para sentir as vibrações da música. É Amy quem ajuda Claire a superar seus ataques de pânico no palco e é ela quem percebe o amor de Claire e Wyatt. Eu acredito que Amy é o verdadeiro centro dessa história. E é a melhor parte do livro.

É um bom romance que, apesar da personagem principal ser meio chatinha, envolve o leitor até o fim. Um dos pontos mais positivos do livro é que ele conta várias histórias em uma só: tem a história entre Claire e Nicole, tem a história por trás da briga entre Nicole e Jesse (a outra irmã), tem a história porque Claire abandonou os palcos, etc. São várias histórias que se ligam numa só e que trazem a este livro uma veracidade que faz o leitor se identificar.


Série As Irmãs Keyes
  1. Um Gosto de Vida (Sweet Talk)
  2. Um Gosto de Amor (Sweet Spot)
  3. Um Gosto de Esperança (Sweet Trouble)

 

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Glória Mortal - J. D. Robb (Nora Roberts)

Depois de um longo e tenebroso inverso, eu voltei! E o post de hoje não é exatamente sobre o livro, é mais um comentário geral sobre a Nora Roberts, mas falo um pouco sobre o livro também. Vocês vão entender.

Glória Mortal - J.D. Robb (Nora Roberts)

Editora: Bertrand Brasil
Ano da Edição: 2004
Páginas: 364
Título Original: Glory in Death

Sinopse
Eve Dallas é tenente da polícia de Nova York e está caçando um assassino cruel. Em mais de dez anos na força policial ela já viu de tudo e sabe que a própria sobrevivência depende de seus instintos. Eve avança contra todos os avisos que lhe dão para não se envolver com Roarke, bilionário irlandês, o principal suspeito de um dos casos de assassinato que ela está investigando. A paixão e a sedução, porém, possuem regras próprias, e depende de Eve assumir um risco nos braços de um homem sobre o qual ela nada sabe, a não ser a necessidade de sentir o toque dele, que se transformou em um vício para ela.



Resenha

Glória Mortal é o segundo livro da Série Mortal da escritora Nora Roberts que assina estes como J.D. Robb. Confesso que não terminei o livro, mesmo depois de várias tentativas, e muita perseverança. Mas não porque o livro em si é ruim, ou desestimulante, ou porque não tem um suspense bem construído. Não, ele tem tudo isso. Eu não consegui terminar por causa da Nora Roberts.

Ela é uma boa escritora, não é à toa que tem mais 200 livros publicados e uma grande parte deles chegou à lista dos Bestsellers do New York Times (bom, mas qual o livro que não é um best-seller do New York Times, né?! Mas isso é história pra outro dia). Mas eu já li cerca de 20 livros dela e estou saturada de ler as mesmas frases, as mesmas descrições e os mesmos personagens (apenas com nomes diferentes). Não estou querendo desmerecer a autora ou seus livros, é só que você não pode escrever 200 livros sem que eles se tornem repetitivos. Eu adoro os livros dela, por isso li tantos, só não consigo ler mais...

O meu conselho é que você escolha alguns poucos livros dela para ler feliz e empolgada. E para ajudar eu fiz uma lista dos meus favoritos (depois resenho cada um deles para vocês), que não está organizada em ordem de preferência:

  1.  “O Amuleto” 
  2.  “Três Destinos” 
  3.  Série Os Irmãos Mackade (“O Retorno de Rafe Mackade”, “O Orgulho de Jared Mackade”, “O Coração de Devin Mackade” e “O Despertar de Shane Mackade”) 
  4.  Trilogia da Gratidão (“Arrebatado pelo Mar”, “Movido pela Maré” e “Protegido pelo Porto”) e a continuação extra feita anos depois “Resgatado pelo Amor”. 

 Mas voltando ao Glória Mortal em si... O suspense é bem construído, a autora vai dando pistas para que o leitor tente descobrir o assassino. E assim como no volume 1 da série (Nudez Mortal), o homem com quem a policial Eve Dallas está envolvida, Roarke, aparece como suspeito e isso, mais uma vez, interfere no relacionamento do casal. Como não consegui chegar ao fim do livro, não sei dizer se as explicações para a escolha do assassino fazem sentido ou não. Mas quero frisar mais uma vez, que não desisti do livro por ele em si ser ruim ou desestimulante, é só que abusei da Nora Roberts.

Então o resumo desse post é, se for ler a Nora Roberts (recomendo!), escolha bem o que vai ler, pois você vai acabar enjoando depois de alguns livros.
 

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Ventos da Paixão - Sarah Mallory

Quem é vivo sempre aparece e aqui estou eu para mais uma resenha. Eu li vários outros livros antes deste, mas já que andei meio desmotivada para escrever resenhas, resolvi voltar com uma de livro que está mais fresquinho na memória.

Ventos da Paixão - Sarah Mallory

Editora: Harlequin Books
Ano da Edição: 2012
Páginas: 288
Título Original: Wicked Captain, Wayward Wife

Sinopse
A noiva desafiadora do capitão
Quando a jovem viúva Evelina Wylder foi colocada frente a frente com seu marido supostamente falecido, um elegante capitão, por sinal bem vivo ficou ao mesmo tempo chocada, alegre... e furiosa! Por isso qualquer que fosse a explicação dele para o ultrajante engano, ela não mais o aceitaria no leito conjugal. A corajosa inocência de Eve havia enfeitiçado Nick, mas a sua fúria ardente o conquistara! Agora, ele teria de encarar seu maior desafio: provar a Eve que sua primeira missão era amá-la e respeitá-la para sempre!



Comentários

Vou ser direta: Evelina é uma chata. Ela não me cativou, o que fez com que o livro perdesse um pouco da graça para mim. Não me entenda mal, o livro não é ruim, mas tem outros históricos melhores, com "mocinhas" mais cheias de atitude.

O problema de Eve é que ela é do tipo de mulher que se finge de durona, que diz ao cara para ele ir embora, pois ela não quer mais vê-lo nem pintado de ouro. Porém, depois fica se lamuriando porque o homem fez exatamente o que ela mandou: foi embora.

Tá, eu entendo, Nick (que, aliás, é um fofo e a razão para eu ainda considerar o livro bom) a enganou, se mandou logo depois da noite de núpcias e fingiu estar morto. Certamente não era para Eve perdoá-lo logo de cara, mas ele tinha motivos bastante plausíveis para fazer o que fez e explicou tudo a ela assim que se encontraram novamente. O que foi uma das coisas que apreciei neste livro, o mocinho não ficou enrolando, dizendo que tinha uma explicação para tudo, mas só podia dizer depois e que a mulher deveria confiar nele e blá blá blá.

Mas Eve ficou até os últimos momentos do livro, mesmo depois de ele salvá-la duas vezes, fazendo mimimi, dizendo coisas do tipo: "Ai, ele é um aventureiro, não vai querer parar em casa!" e "Ah meu Deus! eu tenho que deixá-lo livre, para que ele seja feliz". Isso tudo sem nem falar com Nick para saber o que ele realmente queria.

Enfim, se você já comprou o livro ou uma amiga lhe emprestou, pode ler que não vai ser uma perda de tempo. Mas se você ainda não comprou, sugiro que escolha outro.

 

sexta-feira, 13 de julho de 2012

A Outra Rainha - Philippa Gregory

Primeiro, quero agradecer minha amiga Ivethy por ter me dado este livritcho de presente! :)

A Outra Rainha - Philippa Gregory

Editora: Record
Ano da Edição: 2011
Páginas: 418
Título Original: The Other Queen

Sinopse
Após fugir dos rebeldes escoceses e buscar abrigo na Inglaterra com sua prima Elizabeth I, Maria Stuart passa a viver sob a guarda do casal George Talbot, o conde de Shrewsbury, e Bess de Hardwick.

Durante os anos de cárcere da rainha da Escócia, os sonhos, convicções, frustrações e esperanças desse casal são revelados, tendo como cenário a grande insurreição do norte que visa libertar Maria, restaurá-la a seu trono na Escócia e garantir sua herança ao trono da Inglaterra.



Resenha

Bora falar da capa primeiro? É linda, não é? Foi a primeira coisa que chamou minha atenção quando vi este livro na livraria (sim, confesso, eu também escolho/compro livros pela capa). A segunda coisa que me chamou a atenção foi a autora, eu já tinha lido muitos comentários positivos sobre os livros de Philippa Gregory, em especial sobre a série "Os Tudors".

Esse foi o primeiro livro de Philippa Gregory que li e digo logo que pretendo ler outros livros da autora, pois gostei muito do seu estilo. "A Outra Rainha" faz parte da série "Os Tudors" e é o sexto livro seguindo a ordem cronológica. Mas você pode ler os livros em qualquer ordem, até porque eles foram publicados fora da ordem cronológica dos acontecimentos (a própria autora diz isso no seu site). Aliás, dizem que este é o livro mais fraco da série; se ele é o mais fraco, quero logo ler os outros!

A história se passa no tempo em que Maria, rainha da Escócia, é mantida como prisioneira na Inglaterra de Elizabeth I. Ela é narrada sob três perspectivas: a da própria Maria, a de George Talbot (o conde responsável guardar a rainha Maria) e a de Bess de Hardwick (a esposa de George). Como a narração é feita em primeira pessoa, nós conseguimos penetrar nos pensamentos dos personagens e descobrir suas intenções.

Usar vários pontos de vista e a primeira pessoa para narrar os fatos foram recursos interessantes, além disso, a autora escreve muito bem e faz você realmente acreditar que tudo aquilo se passou. Contudo, o livro perdeu uma estrela pois não consegui me apegar a nenhum personagem. Bess e George não são muito interessantes e Maria vai perdendo o brilho ao longo do livro, devido aos anos de "prisão".

Para mim, o melhor período para se fazer um livro sobre Maria Stuart seria o anterior à sua prisão. Mas a autora parece ter gostado muito de Bess e estava era querendo uma desculpa para fazer um livro sobre ela. Não que a verdadeira Bess de Hardwick não seja uma mulher digna de nota, afinal ela conseguiu fazer sua fortuna com base na sua própria inteligência e faro para negócios (embora os maridos anteriores tenham dado sua contribuição) em pleno séc. XVI, mas ela não dá uma boa protagonista de romance.


Série Os Tudors (ordem cronológica)
  1. A Princesa Leal (The Constant Princess)
  2. A Irmã de Ana Bolena (The Other Boleyn Girl)
  3. A Herança de Ana Bolena (The Boleyn Inheritance)
  4. O Bobo da Rainha (The Queen's Fool)
  5. O Amante da Virgem (The Virgin's Lover)
  6. A Outra Rainha (The Other Queen)

 

sexta-feira, 6 de julho de 2012

A Mesa Voadora - Luis Fernando Verissimo

A Mesa Voadora - Luis Fernando Verissimo

Editora: Objetiva 
Ano da Edição: 2001 
Páginas: 156 


Sinopse


"A Mesa Voadora" traz uma seleção de 47 crônicas recheadas com dicas bem humoradas de quem transita com a mesma desenvoltura por sofisticados bistrôs de Paris ou pastelarias de beira de estrada. Apesar de não entender nada de cozinha, Luis Fernando Veríssimo entende bem, e muito, de comida. Neste livro o autor escreve deliciosamente sobre suas memórias gustativas. Delicie-se com este cardápio recheado de crônicas de dar água na boca!


Resenha

Eu sou fã de Verissimo e adoro a forma como ele consegue transformar situações tão corriqueiras em algo divertido e gostoso de ler. Então não podia deixar de apreciar mais esse livro de crônicas dele. A Mesa Voadora, assim como Orgias, é um livro que a gente devora bem rápido, mas achei que as crônicas são um pouco menos divertidas. Talvez seja porque elas estão relacionadas à comida e eu não sou uma amante tão entusiasmada da cozinha.

Mas ainda assim, a leitura vale a pena. Quem não passou por um sufoco como relatado em "O buffet"? E quem teria coragem de degolar a galinha Margarete de "A decadência do Ocidente"? Aliás, quero deixar registrado aqui o meu apoio à rebelião contra a salsinha e que concordo com Verissimo que "salsinha" é qualquer coisa que esteja só de enfeite no prato.

Outra característica que gosto de Verissimo está presente em "Botecos", que é sua habilidade em inventar palavras que se encaixam perfeitamente no significado pretendido. Afinal, "flunfa" é ou não um nome perfeito para aquela sujeirinha/lãzinha que fica no umbigo? =D


 

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Roubada - Lesley Pearse

Roubada - Lesley Pearce

Editora: Novo Conceito
Ano da Edição: 2011
Páginas: 376
Título Original: Stolen

Sinopse

Quando uma bela moça loira foi encontrada desacordada em uma praia, ela não tinha nenhuma lembrança de quem era ou dos horrores que havia passado antes de chegar ali. A esteticista Dale não via Lotte Wainwright há tempos, mas, para seu pesar, reconheceu sua amiga na foto publicada pela imprensa local em um artigo que noticiava as misteriosas circunstâncias do aparecimento da jovem que, recentemente, havia dado à luz.

Após uma longa separação entre Lotte e Dale, uma perigosa sequência de segredos, mentiras e pesadelos tem início. O que aconteceu com Lotte? Alguém queria matá-la? E, o pior, o que acontecera com o bebê a quem ela dera à luz?



Resenha

Como diz na sinopse, uma mulher é encontrada desacordada numa praia da Inglaterra e, ao acordar, ela não faz ideia de quem é ou de quem a maltratou e a jogou no mar. Quando a imprensa local publica uma foto da mulher misteriosa, Dale acredita que ela pode ser Lotte, uma amiga que conheceu enquanto trabalharam num cruzeiro.

Quando Dale procura os pais de Lotte para que eles pudessem confirmar a identidade da mulher, fica surpresa ao constatar que eles não dão a mínima para a filha. Apesar disso, Dale e Scott, um rapaz que também trabalhou no cruzeiro e ficou amigo das duas, comunicam à polícia que a mulher deve ser Lotte. A partir daí, Lotte passa a receber visitas de seus amigos, incluindo o pessoal do salão no qual ela trabalhou antes de embarcar no cruzeiro. Neste ponto, devo dizer que o que ela não tem de amor na família, tem com os amigos. Simon e Adam são ótimos!

Mas os problemas não acabam por aí, Lotte entra em desespero ao descobrir que deu à luz recentemente, mas não sabe quem é o pai, nem onde está seu bebê. Ela vai recuperando a memória aos poucos e vamos descobrindo, junto com ela, como sua vida foi difícil, desde a infância. Mas ela continua sem se lembrar do que fez desde que desembarcou do cruzeiro, incluindo a gravidez. Só depois, quando sua vida está em risco novamente, é que ela começa a se lembrar.

Roubada é um livro emocionante, mas não leia se você estiver meio deprimido, pois contém cenas muito fortes. A autora não nos poupa dos detalhes sórdidos das torturas que Lotte sofreu. O recurso de flashback é bastante usado conforme Lotte vai redescobrindo sua vida.

O livro só perdeu uma estrela porque não é tão eletrizante quanto parecia no começo. Como boa parte dele é formado pelas memórias de Lotte, o leitor não sente aquele imediatismo na descrição das barbaridades pelas quais ela passou, pois já sabe que qualquer tentativa de fuga será frustrada até que ela seja jogada no mar.

Antes que eu esqueça, minha edição é a 1ª, cuja capa é a da imagem acima, junto ao título. O interessante dela é que tem uns brilhinhos azuis bem discretos. Contudo, a Novo Conceito mudou a capa na 2ª edição do livro (veja abaixo) que, embora seja mais bonita, tem um ar meio romântico que não combina nada com o conteúdo do livro. Também não sei se ela tem os brilhinhos.
Capa da 2ª edição
 

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Quebra de Confiança - Harlan Coben

Quebra de Confiança - Harlan Coben

Editora: Arqueiro 
Ano da Edição: 2011 
Páginas: 272 
Título Original: Deal Breaker

Sinopse
No primeiro caso de Myron Bolitar, Harlan Coben nos faz mergulhar na indústria do sexo e nos negócios escusos por trás da contratação de grandes atletas. Este é um momento importante na carreira de Myron Bolitar. Depois de agenciar alguns atletas pouco conhecidos, ele agora é o empresário de Christian Steele, a maior promessa do futebol americano de todos os tempos. Talentoso, bonito, centrado e carismático, tudo indica que o rapaz também poderá arrematar milhões em contratos de publicidade. 

Mas, ao mesmo tempo que vive o auge na carreira, Christian enfrenta um drama na vida pessoal. Um ano e meio atrás, sua noiva, Kathy Culver, desapareceu subitamente e, exceto pelos fortes indícios de que tenha sofrido uma agressão sexual, a polícia não conseguiu descobrir nada sobre sua última noite no campus da Universidade Reston. 

Prestes a ser contratado em uma negociação que pode ser a maior de todos os tempos em sua categoria, Christian recebe o exemplar de uma revista que traz a foto de Kathy em um anúncio de disque sexo. Além disso, o caso acaba de ganhar mais um ingrediente de terror: três dias atrás, Adam Culver, pai dela, foi morto em um assalto bastante suspeito. 

Agora, com a ajuda de Win, seu melhor amigo, Myron tentará impedir que as notícias sobre a ex-noiva de Christian atrapalhem a carreira do rapaz e irá em busca da verdade – doa a quem doer.

Resenha

Quebra de Confiança é o primeiro livro da série de Myron Bolitar e o segundo que li, pois comecei por Jogada Mortal. Não faz muita diferença começar por um ou pelo outro, porque as histórias são independentes. A única coisa que interferiu foi que eu já sabia que Myron e Jessica iam ficar juntos, mas essa não é uma parte fundamental do livro.

Neste livro, Myron vai investigar o desaparecimento de Kathy Culver, irmã mais nova de sua ex-namorada. Ela está desaparecida há mais de um ano e a maioria das pessoas, incluindo a polícia, acredita que esteja morta. Porém, tudo muda quando Christian Steele recebe uma revista pornográfica com uma foto de Kathy nua em um anúncio de disque-sexo. Christian era namorado de Kathy na época do desaparecimento e atualmente é o atleta mais promissor que Myron agencia.

O fato de Myron agenciar Christian já era motivo suficiente para ele se meter na investigação da polícia. E quando Jessica, a ex-namorada, lhe pede para investigar a morte do pai, pois ela acredita que pode haver uma ligação entre a morte dele e o desaparecimento da irmã, Myron entra de cabeça no caso.

A partir daí, o livro segue o estilo Harlan Coben de ser, com várias reviravoltas e a trama vai se complicando conforme novas descobertas são feitas. Ao contrário de Jogada Mortal, que eu já havia conseguido decifrar parte do mistério no meio do livro, Quebra de Confiança tem um final imprevisível. No mais, o sarcasmo de Myron continua rendendo risadas, Win salva o dia várias vezes (prestem atenção quando eles estão na reunião com Herman Ache) e Esperanza, bem, tem como não adorá-la?


Série de Myron Bolitar
  1. Quebra de Confiança (Deal Breaker)
  2. Jogada Mortal (Drop Shot)
  3. Fade Away (do 3° ao 7° não foram lançados no Brasil)
  4. Back Spin
  5. One False Move
  6. The Final Detail
  7. Darkest Fear
  8. A Promessa (Promise Me)
  9. Quando Ela se Foi (Long Lost)
  10. Alta Tensão (Live Wire)


quinta-feira, 14 de junho de 2012

Orgias - Luís Fernando Verissimo


Orgias - Luís Fernando Verissimo

Editora: Objetiva
Ano da Edição: -2005
Páginas: 136

Sinopse

Se civilização é autocontrole, orgia é a festa ao contrário, a festa do excesso, a euforia sem limite protocolar. Bem, existem orgias e orgias - e é desses vários patamares de prazer e tentações que Luis Fernando Verissimo fala neste livro.

Atire a primeira pedra - quem nunca passou dos limites, bebeu mais do que podia, caiu na farra. Mesmo que apenas na imaginação lúbrica, orgias se multiplicam. As festas de fim de ano que funcionam como rituais apaziguadores, em que prometemos mudar, de vida, de comportamento - mas enquanto isso vamos tomas champanhe e dançar?



Resenha

Eu gosto muito das crônicas de Verissimo, alguns dos livros dele trazem mais aquelas que são bem divertidas e outros são daquelas que fazem você refletir um pouco. Orgias é do primeiro tipo, é um livro bem divertido que dá para ler rapidinho.

"Alma, vendo" foi uma das melhores crônicas do livro, ela relata a dificuldade de encontrar o diabo para vender sua alma. "Crise" e "Da importância de ser Fabião" também são muito boas. E quem não teve uma festinha de aniversário como a de "Festa de criança"? Até hoje eu tenho pena de mainha, pois ela sempre fazia nossas festas de aniversário em casa e sem ajuda nenhuma.

É claro que há umas crônicas não tão divertidas, mas no geral o livro é muito bom.


quinta-feira, 7 de junho de 2012

Qual Seu Número? - Karyn Bosnak


Qual Seu Número? - Karyn Bosnak

Editora: Novo Conceito
Ano da Edição: 2011
Páginas: 414
Título Original: What's Your Number?

Sinopse
Delilah Darling tem quase 30 anos e já se relacionou com 19 rapazes. Sua vida sentimental não tem sido exatamente brilhante, pois todo cara que conhece parece fugir do relacionamento. Quando lê uma matéria no jornal em que a média de homens para uma mulher de 30 anos é de 10,5, fica desesperada e assustada por estar muito acima dela. Além de tudo, o artigo no jornal terminava falando que, se a mulher tivesse o número acima dessa média, seria impossível a pessoa certa. Na tentativa de não aumentar seu número e perder de vez a chance de se casar, Delilah sai à procura de seus antigos namorados e tenta reconquistá-los. Será que um deles estará disposto a esquecer o passado e começar uma linda história de amor?


Resenha

Delilah fica muito impressionada ao ler no jornal que uma pessoa tem em média 10,5 parceiros sexuais durante a vida. Ela já tá no número 19 e ainda não encontrou o homem da sua vida. Portanto, ela decide firmar seu limite em 20, assim tem mais uma chance, uma chancezinha, para encontrar O cara ou deixar tudo de lado e virar celibatária.

O problema é que, numa noite de bebedeira, ela acaba desperdiçando a chance e, como não quer encarar o celibato, ela tem a ideia de ir atrás dos seus ex-namorados, pois ela pode ter deixado de ver que um deles seria o homem certo. Além disso, ela não aumentaria o número. Para tanto, ela contrata o vizinho TDB superhot Colin para descobrir o paradeiro, estado civil e orientação sexual (se possível) dos caras. Em tempo, Colin é ator, mas faz uns trabalhos na agência de investigação do pai quando a grana tá curta.

Vocês vão ter que ler o livro para conhecer cada ex de Delilah e que fim eles levaram, mas já adianto que a parte que rendeu mais risadas foi quando ela reencontrou Wade Wojoqualquercoisa. E fiquem de olho na cadelinha Eva!

Delilah é meio imatura para a idade dela, fazendo umas loucuras (como caçar ex-namorados) que mulheres normais não fariam, mas ela é realmente divertida e não uma tresloucada como Lola de "Uma Proposta Irrecusável" (saiba mais sobre Lola nesta resenha). Enfim, o livro é bem divertido, mas perdeu uma estrela porque loucura tem limite e as coisas que ela fez para reencontrar o "Loiro Gostosão" foram forçadas demais.

Não assisti ao filme ainda, mas assim que assistir eu comento dizendo se tá fiel ao livro ou não.



quinta-feira, 31 de maio de 2012

Seleções de Livros #01

Para quem não sabe, esses livros da coleção "Seleções de Livros" contêm a versão condensada de quatro livros de autores diferentes. O lado bom disso é que ajuda você a variar suas leituras, pois cada livro tem um tema e estilo diferente. Sem contar que você pode experimentar os autores antes de investir na compra de mais livros dele, e ainda tem a vantagem de que em vários volumes há um livro inédito no Brasil. Contudo, o lado ruim é que, por serem versões condensadas dos livros, a gente acaba perdendo uma coisa ou outra que consta no original.

Bem, como o post ficaria enooorme se eu colocasse as sinopses e resenhas de cada um dos quatro livros, optei por colocar um link para o perfil do Skoob onde as sinopses podem ser encontradas e ir direto para as resenhas.

E o Céu se Fez - LaVyrle Spencer
Sentinelas do Apocalipse - Robert Ludlum
Uma Família para Kathy - Henry Denker
O Gato que Pegou um Ladrão - Lilian Jackson Braun

Editora: Reader's Digest
Ano da Edição: 1999
Páginas: 573
Título Original: Then Came Heaven / The Apocalypse Watch / A Place for Kathy / The Cat Who Tailed a Thief
Skoob


Resenha

Já li alguns desses livros da Seleções e digo que alguns volumes são melhores do que outros, mas sempre há um livro mais fraco e um muito bom, os outros dois variam. No caso deste, o melhor foi o terceiro, Uma Família para Kathy, e o pior foi o segundo, Sentinelas do Apocalipse. Eu sei, eu sei, também jurava que o melhor seria Sentinelas do Apocalipse, mas por algum motivo a estória não me convenceu. A seguir, eu falo um pouquinho de cada um.

E o Céu se Fez
Este livro conta a história da irmã Regina, uma freira que passa a questionar o código da sua Ordem após a morte da mãe de duas alunas suas e esposa do zelador da escola. As freiras daquela escola católica não podem sequer tocar pessoas que sejam leigas, e irmã Regina se pergunta se abraçar e confortar suas alunas não traria mais ajuda do que simplesmente trancar-se numa igreja e rezar. A narrativa acompanha o confronto interno da irmã Regina e também o dia a dia de Eddie, o viúvo, mostrando como ele e suas filhas procuram se reerguer depois da morte da esposa. É uma daquelas estórias leves e fofas que dá pra lermos em uma tarde só. Não é empolgante, mas é uma boa distração e por isso dou 3 estrelas para ela.

Sentinelas do Apocalipse
Este livro foi uma decepção, pensei que seria um eletrizante livro de espionagem, mas em nenhum momento senti aquela urgência de ler mais para descobrir tudo. Esse tema com herói americano contra os (neo)nazistas já não é novo, e se o autor não colocar outros elementos que possam estimular a leitura, o livro fica sendo só mais um do mesmo. Esse foi o caso de Sentinelas do Apocalipse. É possível que, por ser uma versão condensada da estória, a trama não tenha ficado bem conectada, com os personagens pulando de uma situação para outra com mais rapidez, sem criar aquele clima de suspense. Mas a edição não é responsável pelo final decepcionante. Sem contar na história do marido de Karin, que é simplesmente absurda, não faz o menor sentido dentro do contexto do livro. Portanto, eu dou 2 estrelas para ele.

Uma Família para Kathy
Grace perdeu o marido há dois anos e então descobre que está com AIDS, a partir daí o livro mostra a luta dela para sobreviver e cuidar da filha, Kathy, que é uma garota muito esperta e dedicada a mãe e que faz questão de acompanhá-la em todas as consultas. Quando Grace começa a piorar, ela tem que pensar em encontrar uma família para Kathy, pois a garota não possui mais avós, nem tios maternos e os tios paternos não são muito próximos. Grace e Kathy são personagens fortes e cativantes, que fazem o leitor torcer por elas. Por isso, dou 4 estrelas a esta estória.

O Gato que Pegou um Ladrão
O livro se passa na fictícia cidadezinha de Pickax, onde todo mundo se conhece e as pessoas raramente usam chaves e cadeados para trancar seus pertences. Contudo, há alguém perturbando a paz dos moradores dessa cidade, roubando roubando objetos de várias casas. O repórter Jim Qwilleran fica intrigado e começa a investigar. É um livro policial, mas não é nada no estilo Harlan Coben. É mais leve e chega a ser engraçado, principalmente quando os gatos Koko e Yum Yum ficam tentando dar dicas a seu dono. O final não é surpreendente, pois o leitor já começa a desconfiar de tudo no meio do livro, mas vale a pena ler. Eu fiquei curiosa para ler outros mistérios desvendados pelo esperto Koko. Daria 3 estrelas para o livro.

Dessa forma, a nota geral para o volume todo é 3.

 

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Jogada Mortal - Harlan Coben

Finalmente voltei! Gente, já fazia dois meses que não lia nada por diversão, só estudando para umas provas que fiz agora em maio, mas estou voltando à ativa.

Jogada Mortal - Harlan Coben

Editora: Arqueiro
Ano da Edição: 2012
Páginas: 256
Título Original: Drop Shot


Sinopse

Aos 16 anos, Valerie Simpson já era finalista do Aberto de Tênis da França. Depois de brilhar nos circuitos internacionais do esporte, de repente tudo mudou. A jovem ficou reclusa e deixou de lado as competições de alto nível.

Seis anos depois, ela está disposta a retomar a carreira e procura Myron Bolitar para ser seu agente. Para ele – que já agencia Duane Richwood, cotado para vencer seu primeiro Grand Slam –, essa é uma ótima oportunidade. Mas seus planos têm fim quando Valerie é morta e Duane se torna o principal suspeito do assassinato.

Apesar de o rapaz estar em quadra na hora do crime, algo parece não se encaixar na história que conta à polícia. Ele garante não conhecer Valerie, mas seu número de telefone estava na agenda da jovem.
Insatisfeito com o rumo das investigações policiais, Myron sai em busca da verdade. E descobre que, além de prováveis ligações que a moça fez para Duane de um telefone público, há um passado de dor e mentiras que talvez leve ao verdadeiro motivo do crime.

Agora, com a ajuda do excêntrico Windsor Horne Lockwood III e da ex-profissional de luta livre Esperanza Diaz, Myron enfrentará inimigos poderosos que tentam a todo custo impedir que a verdade venha à tona.


Resenha

Ganhei "Jogada Mortal" numa promo da editora Arqueiro, no começo deste ano. Desde que li "Confie em Mim", Harlan Coben tornou-se um dos meus autores favoritos e ele não me desapontou com "Jogada Mortal". Ainda não havia lido nada da série de Myron Bolitar, mas já posso dizer que adorei o jeito sarcástico dele e achei seu melhor amigo, Win, uma figura.

Este é o segundo livro da série, porém não senti falta do anterior. Talvez o primeiro explique melhor o relacionamento de Myron e Jessica, mas isso é secundário e não atrapalha o entendimento da trama. Aliás, a editora Arqueiro não está lançando os livros da ordem de publicação dos EUA (parece que ela lança um mais do final e depois outro do começo).

Myron é multifacetado: já foi jogador de basquete, é dono de uma agência de RP, possui diploma em Direito, já trabalhou para o FBI e dá uma de advogado quando a situação pede. Tudo isso já seria suficiente para ele se sentir compelido a acompanhar a investigação do assassinato de Valerie. Mas some a essas coisas o fato de um dos clientes mais promissores dele ser um dos suspeitos e que Valerie foi morta quando tentava, desesperadamente, entrar em contato com Myron, temos um prato cheio.

Myron acredita que a morte de Valerie pode ter ligação com o colapso nervoso que ela teve 6 anos atrás e que prejudicou sua carreira. Mas durante suas investigações, ele acaba mexendo com gente que não devia e vê sua própria vida em risco. Não posso sair falando muito, para não dar dicas do final, só posso dizer que a trama se desenrola bem no estilo de Harlan Coben, com reviravoltas e acontecimentos que aparentam ser totalmente diferentes, mas acabam se conectando.

A única razão pela qual não dou 5 estrelas é porque eu já imaginava o que tinha acontecido a Errol Swade desde o começo (é meio óbvio) e ficava meio irritada com Myron, pois ele nem cogitava a possibilidade, apesar de aparecerem vários indícios ao longo do livro.

Série de Myron Bolitar
  1. Quebra de Confiança (Deal Breaker)
  2. Jogada Mortal (Drop Shot)
  3. Fade Away
  4. Back Spin
  5. One False Move
  6. The Final Detail
  7. Darkest Fear
  8. A Promessa (Promise Me)
  9. Quando Ela se Foi (Long Lost)
  10. Alta Tensão (Live Wire)
  

sábado, 24 de março de 2012

Vinte Mil Léguas Submarinas - Júlio Verne

Primeiro, quero agradecer a meu amigo Carlos Diego por ter me emprestado este livro. :)

Vinte Mil Léguas Submarinas - Júlio Verne (Jules Verne)

Editora: Martin Claret
Páginas: 406
Título Original: Vingt Mille Lieues Sous les Mers


Sinopse

Verdadeiro clássico da ficção científica, o livro narra as aventuras do Capitão Nemo, um enigmático e brilhante homem que construiu um submarino e com ele dedicava-se a percorrer os mares, estudando e desbravando o fundo dos oceanos.

O romancista francês Júlio Verne conseguiu "profetizar" muitos avanços científicos - o submarino, a televisão, viagens espaciais. Recebeu, com justiça, o título de criador da ficção científica. Embora a obra de Verne se dirigisse basicamente a um público juvenil e popular, a crítica moderna realça a enigmática beleza de muitos de seus romances. Curiosamente, Verne nunca saiu da França, embora seus relatos narrassem, com incrível exatidão, as mais distantes regiões do planeta. Ele uniu ao vigor narrativo sua convicção no progresso da humanidade.

Resenha

Gente, a edição que eu li foi a da Martin Claret e, como vocês sabem, não é incomum encontrar alguns errinhos nos livros dessa editora. Mas teve um que me incomodou: uma confusão de datas logo no começo do livro. Ele fala que no ano 1866 começaram a ocorrer acidentes estranhos com navios e ninguém sabia a causa por trás deles. Depois diz que os acidentes pararam por um tempo, mas que voltaram a acontecer no ano 1897. Aí eu pensei: "Puxa, mais de trinta anos se passaram!". Só que umas dez páginas depois, fica claro que o ano é, na verdade, 1867. Parece ser uma besteira, ainda mais que depois fica tudo esclarecido, só que o leitor passa umas 10 páginas pensando que foram 30 anos e imaginando o Nautilus lá debaixo das águas por todo esse tempo.

Quanto à história, ela é muito boa. Júlio Verne descreve muito bem as aventuras do prof. Aronnax, seu criado Conselho e o canadense Ned Land a bordo do submarino Nautilus, sob o comando do capitão Nemo. Eles passam por lugares incríveis e o autor faz tudo parecer possível.

Também ficamos intrigados com jeito do capitão Nemo, sem entender a razão de ele ter decidido se isolar da humanidade daquela forma. Mas um personagem que me fez rir foi o Conselho. Onde a gente arruma um criado tão dedicado? O homem fazia qualquer coisa que o prof. Aronnax pedisse!

O livro só não leva as cinco estrelas porque contém cálculo demais. Mesmo eu, que sou da área de exatas, me cansei de tanto ele calcular a superfície das coisas, a pressão que o Nautilus devia suportar e tudo mais. Se isso acontecesse só uma vez, teria sido bom, mas ficar calculando a cada profundidade, achei desnecessário.

Eu só queria deixar uma dica: quem leu Vinte Mil Léguas Submarinas deveria ler A Ilha Misteriosa também, pois vai ter boas surpresas. O livro não é tão bom quanto este, mas vale a pena.

 

sexta-feira, 16 de março de 2012

A Ilha dos Cisnes - Anne Rivers Siddons

Eu nunca havia lido nada da autora e comprei este livro meio às escuras.

A Ilha dos Cisnes - Anne Rivers Siddons

Editora: Bertrand Brasil
Ano de Laçamento: 2006
Páginas: 378
Título Original: Up Island


Sinopse

Molly Bell Redwine, mãe de meia-idade e esposa dedicada, vê como principal tarefa do seu dia-a-dia a preservação e a união de sua família. Porém, na manhã seguinte a uma noite memorável, um pedido inesperado de divórcio abala definitivamente sua vida. Mas seu destino parece estar ligado a uma encantadora ilha no lago Mill, num chalé completamente isolado de seu antigo cotidiano. "A Ilha dos Cisnes", de Anne Rivers Siddons, é um romance surpreendente que mostra como a vida de uma mulher responsável e fiel também pode sofrer grandes transformações.

Resenha

Primeiro, devo dizer que a capa é bem bonita, com os nomes e flores em alto relevo (eu também adoro azul e isso pode ter me influenciado). A história pode parecer meio batida - mulher casada há mais de vinte anos, com os filhos criados e saindo de casa, e o marido a troca por outra bem mais nova - mas cada autor pode dar uma roupagem nova.

Anne Rivers Siddons compõe seus personagens de forma que eles parecem bastante reais, eles podiam ser seus vizinhos, seus amigos. Eu gosto disto e este é um ponto positivo do livro, mas confesso que a personagem principal, Molly, não me conquistou. Eu sei que existem muitas mulheres que são como ela e não se conformam com o divórcio, que acham que o marido vai cair em si e voltar. Mas tudo tem um limite, e se seu "marido" sai de casa, depois aparece na sua frente com outra mulher e lhe diz com todas as letras que está apaixonado e quer se casar com a outra, para mim é o fim da linha. Porém, Molly só se mexe quando é praticamente forçada a fazê-lo.

Contudo, Molly finalmente sai de casa, vai para uma ilha com a amiga Livvy (uma personagem bem mais cativante). Lá ela conhece duas senhoras que precisam de alguém para cuidar de dois cisnes - em troca elas oferecem um pequeno chalé como moradia - e acaba aceitando o serviço. A partir desse ponto, Molly começa a ajudar as duas senhoras e seu vizinho, enquanto vai tentando se curar também e aprender a ficar só.

Enfim, a história é boa, mas a autora não conseguiu imprimir um ritmo que prendesse o leitor. Tudo acontece de forma excessivamente lenta e o final é um pouco sem graça. Se o livro fosse mais curto, acho que a leitura teria sido mais prazerosa.


 

quarta-feira, 7 de março de 2012

Dragões de Éter: Círculos de Chuva - Raphael Draccon



Dragões de Éter: Círculos de Chuva - Raphael Draccon

Editora: Leya
Ano de Laçamento: 2010
Páginas: 534


Sinopse
Nova Ether é um mundo protegido por poderosos avatares em forma de fadas-amazonas. Um dia, porém, cansadas das falhas dos seres racionais, algumas delas se voltam contra as antigas raças. E assim nasce a Era Antiga. Hoje, Arzallum, o Maior dos Reinos, tem um novo Rei e vive a esperada Era Nova. Coisas estranhas, entretanto, nunca param de acontecer... Dois irmãos sobreviventes a uma ligação com antigos laços de magia negra descobrem que laços dessa natureza não se rompem tão facilmente e cobram partes da alma como preço. Uma sociedade secreta renascida com um exército de órfãos resolve seguir em frente em um plano com tudo para dar errado em busca do maior tesouro já enterrado, sem saber o quanto isso pode mudar a humanidade. O último príncipe de Arzallum viaja para um casamento forçado em uma terra que ele nem mesmo sabe se é possível existir, disposto a realizar um feito que ele não sabe se é possível realizar. Uma adolescente desperta em iniciações espirituais descobre-se uma mediadora com forças além do imaginário. E um menino de cinco anos escala uma maldita árvore que o leva aos Reinos Superiores, ferindo tratados políticos, e dando início à Primeira Guerra Mundial de Nova Ether.


Resenha

Pessoas, posso definir meu sentimento ao terminar Círculos de Chuva com uma só palavra: desapontamento. Sinceramente, eu esperava muito mais deste livro, afinal ele tinha uma classificação geral de 4.5 no skoob na época em que comprei, sendo que mais de 70 % das pessoas havia dado 5 estrelas para ele. Sem contar que o primeiro livro da série foi maravilhoso e o segundo, apesar de não ser excelente, foi bom, deixando a expectativa de que o próximo fosse pelo menos tão bom quanto. Porém, Círculos de Chuva deixou muito a desejar.

A estória se arrasta por infinitas 400 páginas (de 534 no total), para só então começarem a acontecer as coisas que realmente interessam. Tudo que vem antes das últimas cento e poucas páginas não passa de enrolação, exceto as passagens em que João Hanson aparece, pois acabam por fazer parte de seu amadurecimento como escudeiro.

O autor passa o tempo todo só inserindo novas referências a outras estórias (como as de João e o pé de feijão, Gulliver, Peter Pan e Simbad), sem realmente conectá-las de forma coesa e crível como ele havia conseguido no primeiro livro. Além disso, ele vem com aquela coisa de "Christo de Merlim" de novo!

Para mim, o livro teria sido mais bem sucedido se ele tivesse trabalhado apenas com os personagens que já havia inserido em Corações de Neve e dado maior profundidade a eles. Aliás, com tanta gente aparecendo, personagens como Maria (tão importante anteriormente) ficaram limitadas a pequenas passagens que não levaram a canto algum.

Temos ainda o casamento totalmente sem sentido de Axel com uma elfa. A meu ver, Axel poderia ter ido falar com o Elfo-Rei e convencido ele a fazer as mesmas coisas, sem que o casamento fosse necessário. E por falar nisso, se Axel estava prometido desde bebê a esta Livith, por que o fato não era de conhecimento geral, como era o acordo que envolvia Anísio e Branca? E por que foi permitido que ele se envolvesse com Maria, se ele já tinha uma noiva prometida? Essas são perguntas que não foram respondidas e são mais uma prova de que o autor saiu criando situações sem avaliar seu impacto no que já estava escrito.

Como se tudo isto não bastasse, Draccon ainda resolveu reaproveitar suas próprias estórias, reciclando o ataque pirata à capital do reino. O novo ataque foi um acontecimento totalmente despropositado, cuja única consequência foi fazer sugir do nada novos seres esquisitos.

Enfim, apesar de muita gente ter adorado o livro, eu não fui capaz de ver o motivo para tal encantamento. Só espero que o próximo livro seja bem melhor, que responda às questões que ficaram em aberto e que não seja só mais enrolação para estender a série.


Série Dragões de Éter
  1. Dragões de Éter: Caçadores de Bruxas
  2. Dragões de Éter: Corações de Neve
  3. Dragões de Éter: Círculos de Chuva

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Uma Proposta Irrecusável - Jill Mansell


Uma Proposta Irrecusável - Jill Mansell

Editora: Novo Conceito
Ano de Laçamento: 2011
Páginas: 408
Título Original: An Offer You Can't Refuse


Sinopse
Lola não tem intenção nenhuma de aceitar a proposta de romper com seu namorado Dougie, pela quantia de £ 10,000, oferecida pela mãe dele. Então, ela descobre um segredo que a faz pensar outra vez. Dougie provavelmente teria terminado com ela, a longo prazo, e dessa forma ela pode ajudar uma das pessoas que ela mais ama no mundo. Dez anos mais tarde, porém, quando Lola encontra Dougie de novo, seus sentimentos por ele são tão fortes como nunca. Mas ela partiu o coração de Dougie - e ele está prestes a descobrir que ela foi paga para fazê-lo. Bem, Lola é muito atraente e muito persuasiva. Será que ela irá conseguir reconquistá-lo desta vez ...

Resenha

Antes de ler este livro, eu já havia lido umas resenhas dizendo o quanto ele era bom e tudo mais. Então acho que fiquei com expectativas muito altas e acabei me desapontando.

O livro começa quando Lola ainda é uma adolescente de 17 anos e a mãe do namorado dela chega e oferece dinheiro para ela acabar o namoro. É claro que ela recusa logo de cara, mas quando vai para casa e vê o pai com problemas, ela volta atrás e aceita o acordo.

Dez anos mais tarde, Lola vai a uma festa na casa da mãe de Dougie (sem saber quem era a anfitriã) e reencontra o antigo namorado. Por acaso, Dougie escuta uma conversa e fica sabendo do acordo entre Lola e a mãe dele. Obviamente, ele acha que ela não passa de uma interesseira, uma vez que ela se recusa a dizer porque precisava do dinheiro. E é aí que o livro começa a desandar, pois vai ficando claro que 10 anos se passaram para todas as outras pessoas, menos para Lola. Não digo isso porque ela ainda ama Dougie, mas porque ela continua a mesma adolescente de 17 anos.

A falta de maturidade de Lola foi motivo de constante irritação para mim. Verdade seja dita, eu leio YA e gosto, mas as garotas são adolescentes mesmo, então podem ser loucas e imaturas. Agora, aceitar esse tipo de comportamento em mulheres de 27 anos é pedir demais!

Quando eu li a sinopse, pensei que ao longo do livro ela ia tentar reconquistá-lo de verdade. Porém, o que acontece é que ela passo o livro inteiro só pensando que ele vai voltar sem que ela tenha que fazer esforço algum, sem que ela tenha que tentar explicar o motivo de ter aceitado o dinheiro e mostrar para ele que ela amadureceu. A prova disso ocorre logo na fatídica festa, no momento em que Dougie diz algo do tipo "olha, não vamos mais discutir isso" e a mulher entende que ele quer passar uma borracha em tudo e retomar a relação. Sério, que tipo de pessoa acredita que pode ser perdoada assim, sem nem ao menos tentar se explicar?

Bem, eu poderia me estender muito e falar sobre todas as infantilidades de Lola, mas basta dizer que o que ela faz é, basicamente, perseguir Dougie, chegando ao ridículo de fuçar os armários da cozinha dele. O que salva o livro de ser um completo fiasco são os "coadjuvantes", Sally e Gabe. O jeito louco de Sally é o que consegue nos divertir.

  

p.s.: nunca vi tanta gente de gosto duvidoso para roupas reunidas num livro só, começando por Lola e sua mãe.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Echo Park - Michael Connelly

Primeira resenha de um livro policial! E olhe que eu gosto muito desse gênero, mas parece que eu ando pssando por uma fase que tou lendo muitos livros românticos. Contudo, vou tentar mudar isso e publicar resenhas diversificadas.

Echo Park -Michael Connelly

Editora: Suma de Letras
Ano de Laçamento: 2008
Páginas: 368
Título Original: Echo Park


Sinopse
Após sofrer por 13 anos a agonia de não descobrir o paradeiro de Marie Gesto, o detetive Harry Bosch se vê frente a frente com um suspeito. Ele precisa ainda lidar com a frustração de saber que deixou para trás uma pista que poderia ter levado sua investigação ao assassino já naquele ano do crime. O mestre do suspense Michael Connelly põe seu protagonista em situações onde encara seu inimigo mais sádico e perigoso.


Resenha

Nunca havia lido nada do autor Michael Connelly, mas já tinha ouvido falar. Por isso, quando o livro apareceu numa promoção por R$ 8,80, não perdi tempo e comprei logo. E posso dizer que foi uma pechincha, pois "Echo Park" é excelente e me deixou com uma ótima impressão do autor.

O livro faz parte da série do personagem Harry Bosch e é o 12°, porém não senti falta dos livros anteriores ao ler este. Portanto, acho que o que os livros têm em comum mesmo é o detetive Harry Bosch, mas os casos que ele resolve não devem ser conectados. Talvez para quem leu os livros anteriores, fique mais clara a relação entre Bosch e Rachel e também saiba o motivo dele ter se aposentado e depois resolvido voltar à ativa, só que nada disso atrapalha o entendimento do livro. Aliás, pela minha rápida pesquisa, parece que não foram lançados todos os livros da série no Brasil (corrijam-me se estiver errada).

Bem, a história de "Echo Park" gira em torno do caso de Marie Gesto, que foi assassinada 13 anos atrás e a polícia nunca descobriu o autor do crime. Embora Bosch voltasse a pegar o caso de tempos em tempos, nunca conseguia nada de concreto que incriminasse alguém. Até que um assassino, capturado a pouco tempo e prestes a ir a julgamento, faz um acordo para confessar quem foram todas as suas vítimas e em troca escapar da pena de morte. Uma dessas vítimas seria Marie Gesto. Além disso, havia na documentação do caso uma pista que poderia levar ao assassino logo na época do crime, mas que não foi investigada por Bosch e seu parceiro.

Com tudo isso, Harry Bosch passa a questionar suas próprias habilidades, mas nosso destemido detetive também deseja descobrir o que mais há por trás desse acordo entre o assassino e a promotoria. O resto da estória vocês vão ter que descobrir sozinhos, mas já adianto que o final do livro não desaponta, há reviravoltas antes do desfecho do caso, fazendo de "Echo Park" um livro policial perfeito para quem gosta do gênero policial.

Série de Harry Bosch
  1. The Black Echo
  2. The Black Ice
  3. A Loira de Concreto (The Concrete Blonde)
  4. O Último Coiote (The Last Coyote)
  5. O Último Blefe (Trunk Music)
  6. O Vôo dos Anjos (Angels Flight)
  7. Mais Escuro que a Noite (A Darkness More Than Night)
  8. Cidade dos Ossos (City Of Bones)
  9. Luz Perdida (Lost Light)
  10. Correntezas da Maldade (The Narrows)
  11. Morte Proibida (The Closers)
  12. Echo Park (Echo Park)
  13. O Mirante (The Overlook)
  14. O Veredicto de Chumbo (The Brass Verdict)
  15. Nove Dragões (9 Dragons)
  16. The Reversal
  17. The Drop
  18. The Black Box (a ser lançado nos EUA em novembro de 2012)


p.s.: essa listinha foi resultado da minha pesquisa, mas pode não conter todos os livros em português, pois não fiz uma pesquisa muito extensa.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Os Irmãos Creed: Tyler - Linda Lael Miller

Bora começar a semana com uma resenha novinha? Estamos de volta para falar sobre o Creed caçula: Tyler.

Os Irmãos Creed: Tyler - Linda Lael Miller

Editora: Harlequin Books (Estrelas do Romance 06)
Ano de Laçamento: 2010
Páginas: 320
Título Original: Montana Creeds: Tyler


Sinopse
Desde ganhar prêmios como caubói até negociar patrocínios com agentes de Hollywood, Tyler Creed, ex-estrela dos circuitos de rodeio, pode dar conta de qualquer coisa... Exceto partilhar um pedaço de terra com seus irmãos cabeças-duras. Mesmo assim, ele vai parar em Stillwater Springs, e, apesar de trocar raras palavras com Dylan e Logan, ajuda na restauração do rancho e dos laços de família. Lily Kenyon conhece muito bem brigas entre irmãos e segredos do passado. Ela também resolveu retornar a sua cidade e se estabelecer para criar sozinha sua filha. Porém, ela não esperava reencontrar Tyler Creed, um amor de infância. Agora, o caubói durão que deixou o lar em busca da fama e da fortuna talvez esteja prestes a descobrir que sua sorte sempre esteve sob o céu de Montana...


Resenha

Tão bom quanto o primeiro livro da série, este foi o mais hot da série. Sério! Tem até uma cena em que a Lily tem um orgasmo no meio do supermercado só porque Tyler tocou na mão dela. Sim, você leu certo, na mão!! Só que esse não é o único motivo pelo qual o casal deu certo, Tyler vai amadurecendo ao longo da estória e vendo o que ele perdeu por ter feito aquela sacanagem com Lily anos atrás.

Mais uma vez, a forma como a relação entre os irmãos vai evoluindo ao longo da série é interessante. Como em toda boa família, todo mundo sempre se une quando um deles está em dificuldades.

Mas quem rouba a cena mesmo é Davie e Tess. Davie é um adolescente que pode ou não ser filho de Tyler e Tess é a filha de Lily. Para uma menina de seis anos, Tess é bem madura e tá sempre cheias de ideias sobre como a mãe deve tocar a vida.

Bem, não vou entrar em mais detalhes, só digo que vale a pena ler a estória de Tyler e Lily.

Série Os Irmãos Creed
  1. Os Irmãos Creed: Logan (Montana Creeds: Logan)
  2. Os Irmãos Creed: Dylan (Montana Creeds: Dylan)
  3. Os Irmãos Creed: Tyler (Montana Creeds: Tyler)
 

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Os Irmãos Creed: Dylan - Linda Lael Miller

Depois de um longo e tenebroso inverno, voltamos à nossa programação normal. Vou tentar fazer sempre uma resenha por semana, embora os dias de publicação possam mudar. Lalá está nas Oropa e provavelmente não vai contribuir nos próximos 6 meses (grande novidade!). Mas eu vou insistir para que ela leia algum livro português e nos conte como foi.

Bem, chega de enrolação e vamos ao que interessa! A resenha da semana é do segundo livro da trilogia "Os Irmãos Creed".

Os Irmãos Creed: Dylan - Linda Lael Miller

Editora: Harlequin Books (Estrelas do Romance 03)
Ano de Laçamento: 2010
Páginas: 320
Título Original: Montana Creeds: Dylan


Sinopse
Dylan Creed é um verdadeiro talento para domar touros e mulheres,mas quando sua filha é abandonada pela mãe aos seus cuidados,ele se vê totalmente perdido em meio a fraldas,mamadeiras e todas as outras manhas de uma garotinha de 2 anos.Não demora muito para que ele perceba que existe somente um lugar onde poderá criar Bonnie:seu rancho em Montana. Mas só isso não basta! É preciso encontrar uma mãe para sua menina e rápido!
Kristy Madison, a bibliotecária da cidade, perde a fala quando Dylan aparece para uma sessão de histórias trazendo um bebê. O homem que deixou uma trilha de corações partidos, incluindo o dela, está de volta. E, quando a paixão decide provar que jamais se extinguiu, Kristy se vê determinada a domar esse caubói de uma vez por todas.


Resenha

Achei o livro de Dylan o mais fraco dos três. O motivo principal foi que eu não simpatizei com a Kristy, achei ela muito sem sal e sem nem um pingo da vitalidade que Briana tinha. O Dylan é legal, pena que não é  tão charmoso quanto o irmão mais velho. Resumindo: o casal do livro não convenceu.

Os melhores momentos ficaram por conta da relação entre os irmãos Logan e Dylan. Logan sempre persistente e Dylan não pôde fazer outra coisa a não ser ceder. Tem também Bonnie, a filhinha de Dylan, que é uma graça e só sabe falar (e fazer) "popô".

Há um mistério na estória, para dar uma sacudida na coisinha sem sal: quando descobrem 2 corpos enterrados no antigo rancho da família de Kristy, a polícia tem de descobrir quem foi o assassino e o maior suspeito é o pai dela. A mocinha também se vê ameaçada quando alguém invade a sua casa. É claro que não vou soltar spoilers, mas o mistério também não emplacou. A autora não soube impor um ritmo que fizesse a gente ficar sempre curioso e querendo saber mais. Ela tentou dar uma de Nora Roberts e unir romance com mistério, porém não foi tão bem sucedida quanto a diva.

Enfim, o livro é uma boa distração para aqueles momentos que estamos sem fazer nada, mas não é excelente. É claro que quem já leu o primeiro deve ler o segundo para saber como foi que Dylan e Kristy ficaram juntos, mas não vá com expectativas muito altas.


Série Os Irmãos Creed
  1. Os Irmãos Creed: Logan (Montana Creeds: Logan)
  2. Os Irmãos Creed: Dylan (Montana Creeds: Dylan)
  3. Os Irmãos Creed: Tyler (Montana Creeds: Tyler)